sexta-feira, 13 de abril de 2012

Abraço que cura

Esta história passou-se esta manhã (vou tentar descrevê-la de memória, porque me pareceu muito mal tirar o caderno do saco e anotá-la com eles à minha frente).

Uma mãe e o seu filho adolescente (é visível a Deficiência Mental do jovem) sentam-se junto a mim no comboio. O rapaz passou o tempo a inquirir a mãe (já de uma certa idade). A mãe, umas vezes paciente, outras a suspirar, cansada, lá lhe respondia.

- Amanhã vamos a Coimbra, Mãe? Saímos em Sete Rios e compramos o bilhete, está bem, Mãe?

 - Está bem, João, compramos o bilhete em Sete Rios.

- Vamos a Coimbra, Mãe?

- É só em Maio, João. Estamos em Abril.

- Mas vamos a Coimbra, Mãe?

- Sim, João. Vamos a Coimbra.

- Tu não podes ficar doente, Mãe. O João fica preocupado.

- Todos ficam doentes, João. Eu também.

[e eu ouvia - já não conseguia concentrar-me no "Juliano".]

- Tu não podes ficar doente, Mãe. - repetiu o João.

[ele estava sentado ao meu lado e a mãe à sua frente.]

- Oh, João... - ela suspirou, sorrindo.

- Dá-me um abraço, Mãe. - o filho inclinou-se e abriu os braços - Tu não podes ficar doente.

- Sim, João, com os teus abraços a Mãe não fica doente. - disse ela, abraçando-o muito.

[não tive coragem de pedir um abraço ao João, mas tenho a certeza que mo teria dado e curado as minhas dores.]

6 comentários:

  1. E eu tenho a certeza que é um bom texto para concorreres ao concurso do Sad eyes.

    ResponderEliminar
  2. Confesso que fiquei mto, mto arrepiado, visto que sou fã incondicional de um Abraço!!!
    Um historia(situação) lindissima!!!

    Abraço-te

    ResponderEliminar
  3. eu tb fiquei, Abraço-te, fiquei de lágrimas nos olhos e só sorria. tinha o livro na mão e apertava as folhas com muita força.

    ResponderEliminar
  4. Gosto de abraços e gostei muito deste texto.

    ResponderEliminar