segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Comigo, despido de medos maiores

(o conto do Mark)

Deitei-me no monte de folhas secas, no jardim da casa do avô e olhei o céu. Era um ritual que repetia desde criança. A serenidade que recebia envolvia-me, qual camada invisível; paulatinamente, moldava-se ao meu corpo. Fechei os olhos, sentindo-a penetrar-me na pele, nos músculos, no sangue e nos ossos.

Eu já não era apenas eu. Era eu e as folhas que estalavam quando me mexia lentamente, eu e o sol que aquecia o meu rosto gelado, eu e o azul da abóbada celeste que contemplei quando, vagarosamente, abri as pálpebras.


Estava pronto. Sorri, ergui-me, sacudi a sujidade, olhei por cima do ombro esquerdo e soltei uma folha acobreada do capuz do blusão. Ela baloiçou, como um dos barquitos de plástico que tinha quando, em pequeno, me entretinha a brincar no lago do jardim, e voou para longe. Juntou-se à angústia que senti antes.


Saí de casa. A decisão estava tomada.


Conduzi meia-hora até ao meu destino. Abri o pequeno portão de ferro, dei a volta ao singelo jardim e dirigi-me para as traseiras. A porta da cozinha estava entreaberta. Vi a sombra projectada na tijoleira, duas pernas alongadas que se estendiam pelo alpendre e me recebiam sem receio, depois as pernas materializaram-se nele, que abriu mais a porta e me recebeu com um abraço cálido.


- Bem-vindo a casa. – anunciou. Maroto, desviou-se e apresentou-me a uma gata altiva, de olhar brilhante e orelhas delicadas, que me observava curiosa – é o novo membro da família.


13 comentários:

  1. É o que se chama um fecho com chave de ouro.

    ResponderEliminar
  2. concordo e a bette davis fica muito bem entregue :D

    ResponderEliminar
  3. Querida Margarida, devo dizer que fiquei sem palavras. Que sensibilidade e intuição!... Este pequeno conto poderia ser uma passagem da minha vida... Há tanto de mim nele!... Oh!
    Fico extasiado com a tua capacidade de absorver um pedaço de cada um de nós e, no meu caso, materializá-lo aqui.

    Pode soar a um cliché, mas este conto será o meu eterno favorito.

    Obrigado!


    bjo.

    ResponderEliminar
  4. Mark, se estás a comentar de manhã cedo é porque o conto é muito especial. e é. eu gostei muito de o escrever, mesmo pensando que podia fugir um pouco ao título que deste.
    também acho que encerra muito bem esta série de contos para vocês, meus amigos.
    bjs.

    ResponderEliminar
  5. Desisto de escolher só um... este entra para o meu top3, com o da Rosa e o do Arrakis! :D

    ResponderEliminar
  6. Gostei muito, mesmo muito :)

    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  7. mãos juntinhas e vénia à conan o'brien. :)
    bjs a todos.

    ResponderEliminar
  8. Como disse o Mark, conseguiste com que esses contos parecessem só nossos. Escolho o meu :) mas gostei muito de todos :p
    Parabéns e agora continua porque o próximo desafio continua a ter 250 palavras :p
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. sad eyes, e onde é que fui buscar essa ideia? :)
    bjs.

    ResponderEliminar
  10. Gostei muito! ^^

    Fechaste com chave d'ouro esta iniciativa!

    Venham mais no futuro!

    Jinhos :)

    ResponderEliminar