terça-feira, 13 de agosto de 2013

Abandono

A um canto, está a poltrona surrada e manchada de transpiração, na mesa pequena ao lado, sobre o pano de crochet, cheio de pó, o comando da televisão com o elástico enrolado em duas voltas. Inclino-me e agarro-o. Com o polegar esquerdo, rolo o elástico. O barulho ecoa na sala vazia, como um pedaço de lenha a crepitar no fogo. Sento-me, triste. Em frente, um grande televisor cinzento encara-me, silencioso. Compridas franjas de um naperon tombam de cada lado do aparelho, pesadas de melancolia. Encosto-me, sinto a nuca a colar-se à pele da poltrona e fecho os olhos. Aquecendo-me por dentro, o elástico continua a estralejar. Apareces-me, então, trazendo um tabuleiro com uma caneca de café com leite e duas meias torradas rijas, barradas com manteiga. Torravas metades dos pães no forno, que guardavas num saco de pano pendurado sobre a mesa da cozinha. O café com leite morno estava sempre na tonalidade perfeita, que somente as avós atingem, apurada ao longo do tempo, com gotas de carinho e resignação. Esperavas a visita que eu protelava, aceitavas em silêncio, através de um telemóvel quase sempre mudo. E eu, nessas alturas, sentada na tua poltrona, rainha no teu mundo, era servida por outra rainha. Parto a metade pela dobra do pão, mergulho-a no café com leite até perder a rigidez, vendo a gordura a boiar em pequeninos círculos, e levo-a à boca. Engulo o teu amor, a tua paciência, o teu riso, as tuas lágrimas, e sacio a minha dor.

20 comentários:

  1. todo o texto está muito bom, mas há uma mão-cheia de frases que são verdadeiramente assombrosas.
    gostei muito

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada, significa muito este comentário teu :)

      Eliminar
  2. Também gosto muito de torradas molhadas no café, com as gotas de manteiga... :D

    O que me fizeste lembrar???!!! :D

    Beijinhos Grandes

    ResponderEliminar
  3. A saudade é feita assim, nos silêncios. Gostei muito.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  4. E prontes, derreti. Alguém que me apanhe com uma esfregona.

    Ai Margarida: LINDAAAAAAAAAAAAAA... e não me refiro só à história.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. derreteste? eu só não banquei a chorona, porque estava no serviço, no intervalo do almoço, e não havia ninguém na minha sala.
      mas funguei, lá isso funguei.

      Eliminar
  5. Muito bom. Parabéns! Gostei muito. :)

    bjo.

    ResponderEliminar
  6. Mas um belíssimo conto. Já tinha saudades de os ler ;-)
    Gostei muito.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada. vou publicando conforme escrevo. sem pressas :)
      bjs.

      Eliminar
    2. E fazes muito bem :-)
      Eu é que tenho andado afastado do(s) blogue(s).
      Bjs

      Eliminar
    3. por vezes, é necessário uma pausa. mas temos saudades :)

      Eliminar
  7. Tão lindo! Melancólico! Saudade! Lindo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada. como está o teu menino? felizmente, o meu está a recuperar.

      Eliminar
  8. Muito bonito!
    Mais um "Instantâneo"?

    ResponderEliminar