terça-feira, 5 de novembro de 2013

O conto do João Roque

   Porque te amo?

   Lembras-te do primeiro dia em que nos conhecemos? Há tantos anos. Hoje, como naquela altura, a nossa vida continua a ser de encontros e despedidas.
   De cada vez que te afastas no aeroporto, o meu coração despedaça-se em mil pedacinhos e cambaleio sem forças como se fosse uma marioneta. A custo, resisto à vontade de gritar, ir ao teu encalço e puxar-te por um braço e dizer uma vez e outra “Amo-te, amo-te!”
   E eu amo-te, meu amor, porque és a primeira folha de um novo livro, uma flor de canela no arroz-doce e o orvalho na macieira. Um raio de sol na minha pele, a brisa da primavera no rosto e o malmequer na lapela.
   Amo-te, porque trazes o sabor do pão-de-ló, o cheiro da terra molhada e o gosto da erva mordida. As estrelas no olhar, um nocturno de Chopin no sorriso e o veludo da noite nos dedos.
   Amo-te na solidão da madrugada, na cama gelada e nos intermináveis dias cinzentos. Na mesa para um, no teu lugar vazio e na comida sem sabor.
   Amo-te no livro tombado, nas flores secas na algibeira e no lume apagado da lareira. Num cortinado afastado, no rosto encostado ao vidro e nas lágrimas de saudade.
   Amo-te em noites de insónia, nas mensagens gravadas no telemóvel e nos dias contados no calendário.
   Amo-te, porque apareces sem avisar e sorris à porta com um ramo de malmequeres.
   Porque és a minha rosa-dos-ventos. A minha âncora. E toda a vida.

22 comentários:

  1. Puseste-me a chorar...e mais não digo.
    Obrigado, Margarida.

    ResponderEliminar
  2. Está tão bonito, Margarida. agora, além de contista, também és poeta. "as flores secas na algibeira", tão belo e tão terno.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tive uma grande ajuda.
      obrigada :)

      Eliminar
    2. Verdade... poesia!!! Que mais terá a Margarida para nos revelar? :D

      Eliminar
    3. :)
      vais ter que esperar uns dias.

      Eliminar
  3. Awww, não é para mim, mas ficou aqui uma lagriminha.

    ResponderEliminar
  4. Só não sairam duas lágrimas porque estou no meu posto de trabalho, mas podem crêr que cá dentro, o cloreto de sódio se mistura com a humidade e formam um pequeno mar de alegria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) mas tu sabes lê-las, por isso está tudo bem.

      Eliminar
  5. Prosa poética no seu melhor. Muito, muito bonito e penso que tem tanto a ver com a história do João e do Déjan. :)
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Fabuloso,

    Imagino os últimos contos, a este ritmo :)

    Muito bom mesmo

    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada.
      não imagines. podem não sair tão bem... espero que tal não aconteça :/
      bjs.

      Eliminar
  7. É prosa poética, como referiram acima. Gostei imenso! Continua que estás no caminho certo. :)

    beijinho.

    ResponderEliminar
  8. Para ler e saborear. E voltar a ler e voltar a saborear. Fantástico, sem dúvida. Parabéns! Tens um verdadeiro dom para a escrita!

    Beijinhos :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)
      obrigada.
      eu releio as minhas histórias muitas vezes. cada vez mais gosto delas.
      bjs.

      Eliminar
  9. Respostas
    1. :) e com certeza que o sentimento é recíproco.

      Eliminar
  10. Adorei, estás mesmo inspirada! Que linda forma de mostrar e expôr uma história de amor tão bonita como a do João e do Déjan! ^^

    Jinhos :3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. espero que o Dejan também tenha gostado :)
      bjs.

      Eliminar