domingo, 9 de novembro de 2014

O conto do Francisco

   Balbuciei; Incontrolável; Homoerótico; Murmúrio; Desfrutara

   - Uma descoberta, um delírio – murmurava, entre goles de cerveja. – Tudo tão novo, tão inocente.
   Sorri e levantei a cabeça, parando de escrever no portátil.
   - Espera, tinhas quantos anos? Vinte, vinte e um?
   - Quase vinte e dois. Estávamos em 1993. Com um velho Renault em segunda mão percorria Belém. Lá era o ponto de encontro. Ah, se aquele carro falasse… - soltou uma gargalhada, divertido. – Eles, os mais velhos, ensinaram-me muito.
   - E tu aprendeste rápido – não resisti, continuando a escrever. – Uma esponja a sorver tudo.
   - Tudo! Era incontrolável, claro. Abandonei-me naquele mundo – suspirou, encostando-se na cadeira. – Belíssimos tempos. Como é que passaram tão rápido?
   O ruído do bar chegava-me aos ouvidos como o marulhar das ondas do Tejo, ao longe.
   - Hoje tudo mudou? Vinte anos depois, como é a tua vida?
   Com um gesto brusco, poisou o copo na mesa. Abanando a cabeça, desconsolado, afastou-o para o lado.
   - Vou vivendo. Mas como naquela altura, não, claro que não. É pior. Qualquer miúdo de vinte anos já sabe tudo. Ou pensa que sabe. Sacode, usa e deita fora. Goza e descarta. Antes, desfrutava-se, agora quer-se o instantâneo. Já está. Seguinte, outro, que a vida é curta.
   - E tu não fazes isso? Mastigas e deitas fora, como a canção – retorqui. Olhei-o. – Todos querem viver o momento. Ao segundo. Rapidez, não se pode parar.
   - Parar é morrer - num tom monocórdico e um olhar ausente, encolheu os ombros. – Adaptei-me. Sobrevivo.

16 comentários:

  1. Ahahah, ai, Margarida, só tu para conseguir pegar nessas palavras e dar todo um sentido, para mais reportando-nos de imediato ao Francisco. É a história dele. :)

    um beijinho.

    p.s.: Decerto que ele vai gostar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. quando li aquelas palavras, fiquei perplexa. agora como pego nisto? este é um blogue familiar. deixo o conto erótico lá para o canto do nosso amigo :D
      bjs.

      Eliminar
  2. :D

    Sou uma tábua rasa, lolololololol :)

    Eu resumido em 5 palavras

    Adorei mesmo

    Vou roubar o texto e publica-lo no meu canto, com indicação que foste tu a autora :)

    Beijinhos Grandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. uma tábua rasa? :p
      ora, és transparente :D
      força.
      bjs.

      Eliminar
  3. Confesso que quando vi a sugestão do Francisco, fiquei intrigada. O que será que ela vai fazer?
    Simplesmente, ficou espetacular!

    ResponderEliminar
  4. Sim, tens uma capacidade fabulosa para "tirares a fotografia" a uma pessoa...
    E esta foto está mesmo muito nítida.

    ResponderEliminar
  5. Gostei muito. Pode ter continuação? Fez-me lembrar a escrita do Leavitt.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. estou com ideia de incluir a história do F. num livro que estou a imaginar.
      o DL? era bom, era :)
      dele só li 'enquanto a Inglaterra dorme' e gostei muito.

      Eliminar
    2. Já estiveste mais longe Margarida :) Keep going :)

      Eliminar
  6. incrível, Margarida. a sério, admiro-te muito, tens qualidades fantásticas, és uma grande escritora. o título era muito mau (o Francisco que me perdoe, mas era muito bera), e tu conseguiste uma história muito sui generis, original, bem balançada. e se o tema e o conteúdo poderão ter a ver com o Francisco, a narrativa e a essência têm tudo a ver contigo, é tua (enfim, do narrador do conto) a visão que subsiste e perdura. és grande, és muito grande. acho este conto um tour de force. podes escrever tudo o que quiseres.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eh, Miguel, já vou buscar o babete :)
      obrigada. tem dias que resulta. acho que resulta mais quando não penso tanto e, assim, vai fluindo.
      pois, o título... só mesmo o Francisco para me pregar uma partida dessas :p

      Eliminar